Como não cair em golpes na sua lua de mel

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Você certamente já ouviu essa manchete na TV, em jornais ou em sites de notícias na internet: “Casal fica sem lua de mel após ser vítima de golpe!” E novos casos são registrados todos os dias. Imagine só poupar, planejar, escolher o destino, sonhar com a viagem, se preparar e na tão sonhada hora, ver tudo se transformar em pesadelo. Em alguns casos, é possível entrar na justiça e buscar a reparação. Foi o que aconteceu com um casal de São Paulo, que adquiriu em um site de compra coletiva, um pacote de lua de mel para Buenos Aires, na Argentina. A empresa não forneceu dados básicos, necessários para desfrutar da viagem, como número do voo e reserva no hotel. Os noivos não viajaram, mas também não deixaram barato não. Ganharam a causa e receberam 16 mil reais por danos morais e o valor do pacote reajustado. Neste caso a gente pode dizer que houve um final feliz e justo, apesar de todo stress e frustração vividos com a situação. Mas para que pagar para ver?! Alguns cuidados simples podem evitar todo este transtorno e garantir que tudo vai sair, conforme o contratado. Como não cair em golpes na sua lua de mel é mais fácil do que você imagina! Confira a seleção de dicas que o Blog Hotéis Nacional Inn preparou para você:

Referência é tudo!

Converse com outros casais, peça indicação de agências e operadoras de viagens. Se há relatos de que a empresa já atendeu bem outras pessoas e cumpriu com o prometido, este é um histórico que conta pontos na hora de decidir a compra. Se é uma loja física, vá pessoalmente, certifique-se de que a empresa existe de fato. Teste os meios de comunicação fornecidos pela loja. Contatos como telefone e endereço de e-mail não podem mudar com frequência. Se isto acontecer, desconfie! Além disso, no site da Receita Federal é possível, tendo o CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, número composto por 15 dígitos, consultar se a empresa está ativa, qual o endereço e a descrição da atividade da empresa, ou seja, você vai saber de fato, quais informações sobre o estabelecimento foram repassadas à Receita Federal. Se o que estiver no cadastro for muito diferente do que foi passado a você, acenda o sinal vermelho!

Pesquise

A internet é uma grande aliada para pesquisar sobre a reputação de uma empresa. Uma simples busca no Google pode trazer informações e relatos que nem imaginávamos encontrar. Sites como Reclame Aqui e comunidades em Redes Sociais também ajudam muito nesta etapa de verificação. Quem é lesado coloca a ´boca no trombone´ nestes canais e evita que outros caiam no golpe.
Um ótimo meio de consulta é o TripAdvisor, maior site de viagens do mundo com operação em 48 países. São 350 milhões de avaliações e opiniões sobre 6,5 milhões de acomodações, restaurantes e atrações.

Contrato é documento

Isso vale para toda contratação de serviço: leia o contrato atentamente, linha por linha, sem pressa. Na dúvida, não assine nada! Todos os detalhes da transação e do serviço a ser prestado, devem estar descritos neste documento. Ele será a sua prova maior, caso você tenha que procurar a justiça ou o Procon, por exemplo. Se o contrato estiver diferente do acordado no boca a boca, consulte um advogado ou alguém que entenda do assunto.

Pressa pra que?!

Não aceite pressão. E se houver muita pressão de quem está vendendo o pacote para você, exigindo pressa no pagamento ou na assinatura de qualquer documento que seja, duvide da idoneidade desta empresa. Não deixar tempo para o cliente pensar é tática de golpistas, com medo de serem descobertos. E mesmo que não seja tão grave assim, vamos combinar que comprar ou contratar algo de alguém que não nos dá liberdade para refletir, pesquisar, pensar, é no mínimo desagradável né?!

Compras pela internet

Aquela máxima “papel aceita tudo” também vale para a internet. Hoje em dia, é muito fácil ter no ar, um site bonito, atrativo, que inspire confiança. Mas as aparências podem enganar. Não se iluda por fotos sedutoras e depoimentos que parecem reais demais. É fato que cada vez mais pessoas têm comprado passagens, hospedagem e pacotes de viagens pela internet: é prático e muitas vezes, mais barato também. Mas, a prática exige algumas outras precauções. A primeira delas é desconfiar de ofertas boas demais, muito abaixo do valor de mercado. Milagre, neste caso, não existe! Assim como vale para lojas físicas, verificar a procedência da loja virtual também é importante. Confira se a página divulga CNPJ, telefone de contato e endereço físico. Vale outra visita ao site da Receita Federal para verificar se as informações batem com o que está cadastrado lá. O site tem que ser confiável. Dê preferência a sites mais conhecidos, aqueles que fazem publicidade em revistas e na TV, por exemplo. Se depois de tudo isso, você decidir que vale a pena esta compra, guarde e-mails de confirmação da transação. Vale até aquele print da página da oferta, para documentar o que foi oferecido pela empresa. Guarde também comprovantes de pagamentos: transferências bancárias, cheques, faturas de cartão de crédito ou peça recibo, no caso de quitação em espécie. Em sites como Mercado Livre, muitas vezes temos pessoas físicas oferecendo serviços. Verifique a reputação do vendedor. Comentários, índices de vendas, satisfação de clientes e tempo de existência do perfil: todos estes são dados muito úteis nesta hora.

E se a dúvida for com relação à hospedagem, lembre-se: no site dos Hotéis Nacional Inn, você tem a certeza de segurança para a compra das duas diárias. A empresa 100% brasileira e a maior da América Latina com hotéis próprios, está presente em 23 cidades dos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco. Acesse: www.nacionalinn.com.br e compre, com segurança, sem susto!

 


Mais informações: Marketing Hotéis Nacional Inn
Aline Fallaci – Jornalista
(35) 3722 – 2350

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *