Como se preparar para levar seu bebê para viajar de avião

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Como se preparar para levar seu bebê para viajar de avião
Não é porque você tem um bebê que vai deixar de viajar. E se o trajeto for feito de avião, alguns cuidados garantem tranquilidade aos papais e mamães de primeira viagem, nos dois sentidos. Não se trata de nada impossível, basta organização. Pra facilitar sua viagem de avião com o bebê, o Blog Hotéis Nacional preparou algumas dicas. Confira:

Antes da Viagem

Depois de definido o destino, hora de comprar as passagens. Óbvio que os preços vão variar de companhia para companhia. Algumas empresas levam crianças de até dois anos, sem cobrar uma passagem por isso. No caso de tarifa, o valor é referente a 10% do preço da passagem normal. Só que nestes casos, o bebê não tem direito a um assento, ele deve ir no colo dos pais, de um adulto responsável ou de um acompanhante maior de 12 anos. Vale lembrar que só é permitida uma criança de colo por passageiro adulto pagante. E mesmo que não seja cobrada a passagem, é importante informar, no ato da compra da sua passagem, que você vai viajar com bebê de 0 a 23 meses, para que a criança seja incluída na lista de passageiros. Sem esta informação, o embarque não é permitido.

É obrigatório levar pelo menos um documento de identificação da criança, como é necessário para os adultos também. Para o embarque, são considerados válidos: passaporte, carteira de identidade, certidão de nascimento ou cartão de identidade expedido por ministério ou órgão subordinado à Presidência da República, incluindo o Ministério da Defesa e os Comandos da Aeronáutica, da Marinha e do Exército. Para alguns destinos internacionais, é necessário o passaporte, mesmo que a criança tenha menos de dois anos de idade. Nestes casos, vale uma consulta na Polícia Federal. Quando o assunto é viajar com crianças, a documentação do acompanhante também é fundamental. O Estatuto da Criança e do Adolescente permite que crianças menores de 12 anos, incluindo bebês, viagem com parente de até terceiro grau, desde que o parentesco seja comprovado. No caso de voos nacionais, se o acompanhante forem os pais ou irmãos maiores de 18 anos, são válidos: RG, Certidão de Nascimento ou passaporte (somente o antigo, de capa verde, com informação de filiação). Criança viajando com os avós ou tios comprova o parentesco com a certidão de nascimento.

Se a viagem for internacional e o bebê for apenas com o pai ou com a mãe, será exigida a autorização judicial ou autorização do outro genitor com firma reconhecida por autenticidade ou semelhança. O documento assinado pelo outro genitor deve ser apresentado em duas vias originais. Para os outros documentos citados aqui, valem o original ou cópia autenticada. Atenção: a cópia simples não é aceita!

Se para os adultos, a bagagem de mão já é importante, quando tem um bebê na viagem, ela é indispensável e precisa ser bem pensada, levando em conta a possibilidade de imprevistos. Fraldas extras, tanto descartáveis quanto de pano, leite em pó, água ou fruta para alimentar seu bebê, além de manta, paninho de boca e uma troca de roupa para o caso de acidentes. Alguns países não permitem o transporte de papinhas, então, para viagens internacionais, informe-se a respeito das regras para bagagem de mão. Lembre-se, quanto mais leve for a sua bagagem de mão, mais fácil vai ser para levá-la junto com o bebê. Precaução sim, mas sem exagero.

Algumas companhias aéreas oferecem franquia maior para quem viaja com crianças menores de dois anos para o exterior. Um detalhe que deve ser confirmado antes da compra da passagem. Pesquisar sobre o clima do local a ser visitado também é muito importante, para escolher as roupas e acessórios mais adequados para o bebê. E mesmo que seja um destino quente, vale levar algumas peças de frio, para o caso de uma virada no tempo ou para ambientes mais frescos, com ar-condicionado, por exemplo.

E que tal se transformar em um papai ou mamãe canguru? Não viaje sem comprar um canguru/sling, aquele acessório que prende o bebê ao seu corpo e deixa suas mãos livres. É prático, confortável, seguro, facilita o transporte da criança no aeroporto, em conexões e até mesmo nos passeios que serão feitos durante a viagem.

Ainda assim, você pode levar o carrinho do bebê e ele não é contabilizado no peso da bagagem. Você pode ficar com o carrinho até o momento de entrar no avião, quando um funcionário da empresa ajudará a fechá-lo e guardá-lo no compartimento adequado. Ao final da viagem, o carrinho será entregue novamente a você.

Durante a Viagem

Chegar com tempo para o check-in evita correria e garante a possibilidade de ficar na primeira fileira do avião. É o espaço reservado para grávidas, mamães com criança de colo, idosos e portadores de outras necessidades especiais. São assentos que não podem ser reservados pela internet, por isso a antecedência no check-in.

Dependendo do tempo do trajeto, vai ser necessário amamentar o bebê, até mais de uma vez e as mamães não devem ter vergonha disso. Amamentar é um ato de amor. Mas, para se sentir mais confortável, duas medidas simples ajudam e muito: leve uma manta ou um cobertor para se cobrir durante a amamentação ou, se preferir, leve uma mamadeira com leite materno, somente a quantidade necessária para o tempo de duração de voo. Para crianças com mais de 06 meses, e que não forem viajar com a mãe, leve leite em pó e água. Vale incluir na bagagem uma almofada de amamentação. Dependendo da companhia aérea e para bebês com até 05 meses, são disponibilizados bercinhos para o voo. Informe-se antes do embarque.

Determinados modelos de aeronaves têm fraldário. Nas que não tem, o melhor é trocar a fralda do bebê na poltrona mesmo, já que os banheiros dos aviões costumam ser pequenos demais para o procedimento. Peça ajuda aos comissários de bordo para descartar corretamente a fralda e garantir o conforto de todos na viagem.

Alguns bebês (e adultos também) sentem desconforto no ouvido, em pousos e decolagens. Amamentar a criança no peito, na mamadeira ou dar uma chupeta distrai e ameniza o incômodo causado pela pressão.

Estas são dicas básicas, para a primeira viagem. Depois da experiência, certamente você vai se ajustar de acordo com a vivência do que foi bom e do que não funcionou tão bem. Aí as saídas com o seu baby ficarão cada vez mais divertidas!


Mais informações: Marketing Hotéis Nacional Inn
Aline Fallaci – Jornalista
(35) 3722 – 2350

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *