Como escolher o melhor pacote para a sua viagem

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Em princípio, pode parecer mais cômodo e é uma modalidade de comercialização muito utilizada no Brasil: vender de uma única vez, em um ´combo´, transporte, hospedagem e até passeios. De fato é mais prático e pode até representar uma certa economia. Mas, especialmente na alta temporada, quem compra de última hora corre o risco de ficar com o ´resto´. Ou seja, com o que sobrou dos pacotes. Isso pode significar um horário de voo ruim ou um hotel mal localizado, por exemplo. Para garantir que a compra do seu pacote para viagem vai ser a mais acertada, listamos algumas dicas que podem ajudar e muito!

 

Porque é mais barato

Um pacote de viagem geralmente inclui: passagem (em sua maioria aérea), hospedagem, transfer aeroporto X hotel X aeroporto e um city tour simples. Por terem alto poder de negociação com companhias aéreas e hotéis, os valores dos pacotes geralmente custam menos ao turista do que ele gastaria em uma viagem por conta própria. No Brasil, esta modalidade de viagem ainda é a mais comum, uma vez que as operadoras oferecem financiamentos longos sem juros e opções para os destinos mais badalados. Assim, viajar fica mais possível.

Cuidado com as pegadinhas

Todo pacote turístico geralmente é apresentado com: 8 dias, 7 noites ou 5 dias, 4 noites, por exemplo. Saiba que nestes casos, o dia da chegada e o dia do retorno são praticamente perdidos. Outro ponto importante: não aceite logo de cara o primeiro hotel oferecido pela operadora. Pode ser aquele mais difícil de vender, exatamente por não ser a melhor opção. Procure saber com quais hotéis a operadora trabalha para pesquisar sobre cada um deles e escolher o que melhor atende você. A localização é um item que merece atenção especial. Ficar longe dos principais pontos pode ser uma cilada. É o famoso barato que sai caro. Confira também a categoria do hotel, para saber exatamente o que está contratando e não ter decepções.

 

Há guias e guias

Guias amadores e informais tentam, a todo custo, levar você para determinados bares, restaurantes e lojas de souvenires. Em regra, eles ganham comissões dos estabelecimentos que indicam. E estas comissões, claro, vão sair do bolso do turista, ao pagarem mais pelo que consomem. Também evite comprar passeios extras com esse perfil de guia. Agências de receptivo locais, que também organizam passeios em vans ou micro-ônibus, são mais seguras e custam menos. Sempre prefira os serviços de agentes de viagens profissionais. Por fim, considere a experiência de ir às lojas e restaurantes frequentados por nativos. Isso aproxima você do cotidiano do lugar. É mais barato e enriquecedor.

Pesquisar e se informar nunca é demais

Quem vende o pacote para a agência de viagens é a operadora. Ela monta tudo e comercializa com diversas agências. Procure se informar se esta operadora é conhecida, se tem bom nome e se possui algum problema relatado na justiça. A internet é uma ótima aliada nesta hora, inclusive para também saber mais sobre o destino pretendido.

Se tiver tempo disponível, marque um bom papo com seu agente de viagens para ele explicar melhor sobre os lugares e os pacotes em si. Faz muita diferença saber se sua hospedagem inclui todas as refeições ou só o café da manhã. É importante viajar sabendo quais passeios estão inclusos no preço contratado e quantos outros ainda é possível fazer. Isso ajuda a estimar os gastos que você vai ter durante a viagem e se programar melhor para seus dias de lazer.


Mais informações: Marketing Hotéis Nacional Inn
Aline Fallaci – Jornalista
(35) 3722 – 2350 

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *